Câmara de Boa Vista reprova projeto que regulamenta nome social de transexuais

Os veradores rejeitaram por maioria de votos o projeto de Linoberg Almeida que regulamentava o nome social de transexuais e travestis

A Câmara Municipal de Boa Vista rejeitou nesta terça-feira (13), por maioria de votos, o projeto de autoria do vereador Linoberg Almeida (Rede) que propunha a regulamentação do uso do nome social para transexuais e travestis na capital. Treze vereadores entenderam que já existe legislação federal que dispõe sobre o tema e votaram pela reprovação do projeto.

O debate durante a discussão da matéria, o debate foi bastante acirrado, com os vereadores expondo seu pensamento sobre o assunto e defendendo publicamente seu voto contrário ou a favor do tema e suas razões para tal. O plenário da Casa esteve lotado de representantes da comunidade LGBT, que esperavam e defendiam a aprovação do projeto.

Linoberg atribuiu o resultado da votação à influência da bancada evangélica na Casa e a preocupação de alguns vereadores com as próximas eleições. “É triste as pessoas não entenderem que é possível separar política e religião”, disse ele. “Essa votação de hoje deixou bem claro que não é a vontade das pessoas que prevalecem, mas a vontade grupos que pensam na próxima eleição”, criticou.

Para o vereador Renato Queiroz (PSB), que se colocou a fator do projeto por entender que o assunto “diz respeito apenas às pessoas interessadas, como elas se sentem bem e como gostariam de ser reconhecidas”.

Queiroz não quis criticar o posicionamento dos colegas que votaram contra o projeto, mas disse que não consegue entender a resistência em aprovar a proposta. “Eu não acho que seja uma coisa que vá prejudicar a vida de qualquer outra pessoa. Muito pelo contrário, poderíamos facilitar a vida de quem se encontra nessa situação [de querer usar o nome social]”, disse.

Deixe um comentário

folha-roraima